quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Exercício sobre a saudade n.5



Assim como o pássaro não abandona
o ninho e os filhos durante
a tempestade forte

eu não abandono meu olhar fixo
na janela que dá pra rua
a espera do teu carro
a roda da bicicleta
teu cadarço solto
amarrado nas ruas
sinal de fumaça
carta perdida
disco voador travado
na vitrola da minha boca.


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Exercício sobre a saudade n.4



Eu quero todo o troco da minha vida
em balas coloridas
inverter a gravidade por momento
subir o morro com meu carrinho rolimã
rolaram as maçãs
do teu rosto em minha boca
o sol esquenta essa cidade
e me coloca a esperar a colheita
de tua estação.




terça-feira, 1 de novembro de 2011

Exercício sobre a saudade n.3


Pensei que a página em branco
restasse como reduto último
de meu encontro.
Engano.
Ela não dobra teu
leque de cores.

Ocupastes tanto a entrada como a saída
a varanda e o pátio
o porão e o sótão

Mudei a cama de lugar
durmo nos corredores.