segunda-feira, 5 de setembro de 2011



Adormecerei na trilha dos teus planos
sendo queda d'água
em momentos de gota única.

precipício do olhar precipitado.
A mordida aberta da ferida.

A vela acesa em nossa casa
jamais iluminou o pátio
onde escondemos do corpo
todos os ossos de nossos nomes.

Faz muita cócega
roer a carne que vive dentro do sonho.

Um comentário:

simone gallego disse...

Adoro o que vc escreve...

Muito!

abraços

simone