quinta-feira, 16 de junho de 2011


Arte de Giuseppe Ajmone


Lorenzo Ganzo Galarça

Dezoito invernos atravessados
por cada fio de cabelo.
Os ossos sustentando os vértices
dos anos.

Guardamos todos os cílios
dentro do peito.
O amor não compartilha
a sorte das pedras preciosas.

Tão pouco compartilha
os manuscritos de sua fome.
Insepulto em pedra rasa e maciça
o amor despeja teu nome

em forma de cortejo divino.
Russa saraivada de lágrimas.

"Estico-me até o bico dos pássaros."
Diz a poetisa em minha
companhia de trajeto.

Enquanto eu respondo sozinho
com o vento sussurrado entre os lábios

-Estico-me a ti, tarde de junho,
para que teu silvo jamais abandone
as profundas paredes de meu olvido.


Nenhum comentário: