quinta-feira, 23 de junho de 2011


Arte de Robert Rauschenberg.

Lorenzo Ganzo Galarça


Como dois pássaros
que se procuram e se beijam
durante o ballet aéreo

Eu te procuro dentro de mim,
fugitiva.

A colheita foi abandonada
e o continente esquecido

Mas a terra também vasculha
dentro dos ossos.

Todos os portos foram partidos.
Na estação, o trem afastou-se dos trilhos
para amanhecer o inverno.

Permanece o movimento suspenso.
Suspeito como um pássaro migrando sem rumo.
Evidente como um criminoso.

Todas as distâncias reduzidas
ao passo mínimo.

Passado ao presente.

quinta-feira, 16 de junho de 2011


Arte de Giuseppe Ajmone


Lorenzo Ganzo Galarça

Dezoito invernos atravessados
por cada fio de cabelo.
Os ossos sustentando os vértices
dos anos.

Guardamos todos os cílios
dentro do peito.
O amor não compartilha
a sorte das pedras preciosas.

Tão pouco compartilha
os manuscritos de sua fome.
Insepulto em pedra rasa e maciça
o amor despeja teu nome

em forma de cortejo divino.
Russa saraivada de lágrimas.

"Estico-me até o bico dos pássaros."
Diz a poetisa em minha
companhia de trajeto.

Enquanto eu respondo sozinho
com o vento sussurrado entre os lábios

-Estico-me a ti, tarde de junho,
para que teu silvo jamais abandone
as profundas paredes de meu olvido.


segunda-feira, 13 de junho de 2011


Arte de Salvador Dalí

Lorenzo Ganzo Galarça

Nenhuma companhia se faz de portas abertas.
A diferença única entre o roubo e o empréstimo
é a altura do portão da casa.

Espalhem cadeados, correntes, novas fechaduras.
Lacrem todas as portas, cubram de folhas as janelas.

Sejamos imperialistas!

Não me deixe ser evasivo
frente a inauguração de um inverno comprido.
Quero tecer cada centímetro de seu corpo.

Não acreditemos na falsa proposta
dos cílios abertos.
Eu quero a densa serração dos olhos azuis.
Olhar semi-serrado.

Ser invasivo, sim.
tropeçar em perguntas e
machucar o orgulho.

Agora são quatrocentos cavalos
correndo ao redor da casa

Escuto um relincho dentro do orvalho.


quinta-feira, 9 de junho de 2011


Lorenzo Ganzo Galarça

Todas as portas foram lacradas
diante dos olhos abertos.
Encostemos a janela.

O inverno não anuncia às casas
sobre a geada contida dentro
dos sapatos.

Bruta flor e fina pedra
é assim a escassez de suor na pele.
é assim o deserto invertido.

As folhas curvando-se.

Exímio voo de costas.