quarta-feira, 16 de junho de 2010


Arte de: Maurice Denis

Lorenzo Ganzo Galarça

Nascemos sob o som de sinos destoantes.
O timbre que envelhece
conforme as pegadas dos anos.

Não disputamos os mesmos instantes.
As correntes descompassadas
dos balanços na praça.

Conhecemo-nos à sombra e sol
dos degraus da mesma escada.
Um oceano entre nossos olhos.
Uma vida inteira de atrasos.
Nosso amor é um compromisso apressado.

Embrulhamos o tempo dos ossos em segredo.
Fica o exercício entre as dobras das mãos.
O suor aprisionado nos pêlos.

Para que a vida não perceba
a antecipação do nosso encontro.

2 comentários:

joão pedro wapler disse...

que bonito. realmente um poema muito bem construído.

Cínthya Verri disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.