quinta-feira, 10 de junho de 2010




Arte de: Anselm Kiefer



Lorenzo Ganzo Galarça

A folhagem das árvores debruçada sobre o inverno.
Derramo a seiva do frio pelo corredor dos braços,
A estrada curva do corpo.

Meus cílios agora varrendo o horizonte.
É preciso eliminar a poeira dos olhos,
O passado adormecido nos colchões das pálpebras.

É preciso desprender-se dos galhos,
Encolher as raízes,
Economizar minerais.

Chega de viver preso à rigidez dos troncos.