quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Torna-te atento




Lorenzo Ganzo Galarça

Adormeci durante teu discurso.
Vieste com o material pronto.
Palavras equilibrando-se na língua.

Disparas o verbo sem a piedade do tom.
Exilaste a consciência do ato.
Tuas ações são solitárias.

Por que falas da boca pra fora,
Quando deverias consumir-te
Nos próprios pensamentos?

Pré-aqueça a palavra.
Tempere a gosto a construção.
Somos todos artistas dos nossos desejos.

Não tenho compromisso
Com tua falta de cuidado.
Aliás, a dispenso.

A fisionomia abandona a mentira.
O que a mente transpõem,
O corpo cicatriza.

Torna-te atento,
Ou a carne fará de ti
Mero complemento.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Não pergunte.


Arte de: Iberê Camargo


Lorenzo Ganzo Galarça

Não me perguntes
Em que gaveta
Ficam os talheres.

Não se prenda à imagem
De um mero convidado.
Invente-se. Transforme-se.

Se tivestes a coragem para romper
O solado da casa,
Encha-a com teu suspiro.

O despreparo é o abraço das palavras.

Mude as louças de lugar,
Esconda o copo dentro do armário,
A almofada atrás do braço.

Não me perguntes tanto os caminhos.

Logo estarás anotando
Os atalhos do corpo
Na ponta dos cílios.