sábado, 4 de abril de 2009

Meu filho é lindo.


Imagem: Deviantart.com
Lorenzo Ganzo Galarça

O suor do filho
Regava a sua cabeça.
O cabelo absorvia os minerais.
Pingos escorriam pela testa,

Confundindo-se com as lágrimas.
Os homens só envelhecem até a paternidade.
Os pais tornam-se crianças para brincarem com os filhos.
É preciso crescer para poder encolher-se.

Toda ida supõe uma volta.

Um comentário:

pensar disse...

Oi Lorenzo,
Adoro tuas poesias, e a delicadeza de sua percepção.
Talvez, não seja preciso matar a criança para só se permitir denovo qdo tem uma criança a seu lado.A criança nunca morre, se morrer estamos doentes, ela é o sonho, o presente o viver vivendo sem olhares, sem preocupações e limitações.Tenhamos responsabilidade para sermos sempre crianças, e ainda assim sermos adultos.
bjs