quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Luz do Corredor


Arte de: Paul Klee

Lorenzo Ganzo Galarça

Fingia que dormia

Para ter um encontro à luz de velas com o sono.

Fingia que dormia

Para não me entregar tão facilmente a mim.

Fingia que dormia

Para sentir meu cheiro no travesseiro.

Fingia que dormia

Para acordar mais próximo.

Fingia que dormia

Para escutar o beijo de boa noite dos pais. Aquele que vem mesmo depois da ausência.

Fingia que dormia

Para correr o risco de não ser beijado.

Fingia que dormia

Para poder ser mais atento aos carinhos.

Fingia que dormia

Para estar cada vez mais acordado.

Finjo que durmo

Para poder me dar boa noite.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Esses novos tempos.


Arte de: Eliane Guedes

Lorenzo Ganzo Galarça

Tu pedias a bebida, por causa da idade, e eu embriagava-me em tua saliva.
Teu tempo me distância do corpo.
Sinto como se não te merecesse.

Nosso Amor não terá início, pois, duvidarei do começo.
Te admiro em demasia, como nunca havia acontecido.
Sempre girei ao redor do meu próprio eixo.

Hoje, contigo, começo a me aventurar em outras órbitas.
Arrisco a quantidade de gasolina do tanque.
Sei que posso nunca mais voltar.

Ainda faço parte do que tu deixaste para trás.
Já não suporto meu palco de couvert de bar.
Minhas pernas cresceram, e estou correndo depressa.

A burocracia do crescimento é frustrante.
Mas o contexto não me tira de casa.
O que é meu está guardado.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Conquista.



Lorenzo Ganzo Galarça

Foram apenas três nomes.
Um conjunto de letras de mãos dadas.
Unidas para não serem varridas do papel.

Um choque elétrico disfarçado de gramática.
Três nomes foram o suficiente para
Me derrubar do cavalo.

Seguidos de uma palavra:
-Medicina.
O descontrole está posto.

O coração desrespeita a serenidade do quarto.
Os pés gritam socorro dentro dos tênis.
A língua teima ao ficar dentro da boca.

Peguei o telefone e disparei a emoção
Por já não suporta-lá sozinho.
A felicidade inundou-me por completo.

Aprendi a viver-me nos outros.
Sou um ladrão de emoções.
O crime não será julgado.

Agradeço a vocês
Por não serem egoístas com o coração.
Tua felicidade não mais te pertençe.


Texto em homenagem à Daniele, minha queridíssima amiga.
Medicina-UFRGS

sábado, 3 de janeiro de 2009

Acabaram as provas.


Arte de: Henri Toulouse-Lautrec

Lorenzo Ganzo Galarça


Confiro a umidade da superfície

Para não manchar

Meus cuidados.


Não deixarei as cartas

Jogadas no balcão da cozinha.

Os pingos de café


Ainda não secaram.

Minha ansiedade teve pressa

Ao arrumar a mesa.


Tu deixaste o portão aberto

E os cachorros fugiram.

Seria tua saída de emergência.


Teu anel engana os olhos.

A espessura da aliança se mede

Na capacidade de Amar.


Meu anel diluiu-se nos dedos.

O corpo virou testemunha do

Crime de te Amar por inteiro.


Não precisas mais de

Uma constante prova de afeto, não.

O ano letivo terminou.


Reprovaste mais uma vez

Em pintar dentro dos contornos.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Guarda para o final.


Arte de: Iberê Camargo

Lorenzo Ganzo Galarça.

Fique em silêncio.
Não te gabes.
Deixe que eu descubra

Tuas habilidades.
Não troques o doce
Do desconhecido

Pelo amargo da arrogância.
O usual é ácido.
Já molhado de outras bocas.

Silencia o corpo.
Nina em berço
Tua ansiedade.

O equilíbrio dá-se
Após as ondas turbulentas.
A paz nasce da guerra,

Assim como a reconciliação
Após a separação.
Poupa-me da tua insegurança.

Amo-te.
Não preciso que re-afirmes teu valor.
Ele está dado em teus atos.

Guarda-te para o final.
A morte será uma surpresa.