segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Diafragma


Imagem: Deviantart.com

Lorenzo Ganzo Galarça

À vocês, amantes da arte.
Não deixem que o brilho do olho
confunda-se com o flash.

As fotográfias não guardam lembranças.
Só nos recordam do que não vivemos.
A lembrança do viver é mutável,

A foto; é um passado amputado.
Tenham coragem de esqueçer os fatos!
A vida não é uma galeria.

O instante jámais será capturado.
A beleza não é física.
O belo esconde-se no sorriso dos dentes.

Arte não é saber como aprisionar o sentimento.
Arte é ficar feliz com areia que
escapa por entre os dedos.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Minha irmã está tão crescida.( ou Por favor, Alicia, não te esqueça dos canteiros.)



Lorenzo Ganzo Galarça

Desculpe se não pude
acompanhar teu germinar.
Mas, por Deus, cresceste depressa.

Cresceste rápido como
quando corrias pela rua
da nossa antiga casa,

catando os butiás
que me caiam do bolso
por não suportarem o fascínio.

Sempre fui em cada palco teu,
em cada apresentação
de ginástica e de flauta.

Percebi que não cresceste
nos teatros. Tu cresceste por dentro,
na mais intensa realidade.

Minha flor,
lembro de correr contigo
pelo quintal da casa de nossos avós.

Lembro dos momentos
em que te machucavas e
ficávamos, os dois, juntos

celebrando a dor de se aventurar,
a dor de cair de bicicleta,
a dor de estar vivo.


Sentias à flor da pele
a dor de um mágico errante.
Sempre fostes exigente.

O segundo lugar nunca
foi o bastante. Nunca quisestes
o teu pedaço pela metade.

Ainda não aprendestes a fechar as portas.
Dormes com elas abertas.
Teu coração não pode ser invadido.

Tu vais crescendo e o tempo
não vai passando.
Ficar ao teu lado, meu Amor, significa:

Esquecer-me de todos os valores e
enamorar-me por cada sentido pulsante.

sábado, 6 de dezembro de 2008

O Amor Vicia


Arte de: Salvador Dali.

Lorenzo Ganzo Galarça

Não sei como cheguei até aqui.
Tão pouco compreendendo minhas pegadas.
Elas parecem dar voltas e voltas
Sem traçar uma direção exata.

Agora que estou aqui,
E não sei como cheguei.
Reconheço que não posso voltar.
A correnteza ficou forte.

Este que sou já não foi mais ninguém.
O agora é explicito.
Não existe outra coisa.
O tempo parou.

E o Amor vicia.
Já não posso o abandonar.
Ele está dentro de mim,
Observando o meu andar.