quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Na Companhia da Solidão


Arte de: August Macke
Lorenzo Ganzo Galarça

Deixe o telefone tocar.
Porque enquanto espero
Ainda estou à caminho.
Tenho tempo de voltar.

Eu sei, é difícil aceitar.
Mas, por favor, não me
Tire as alternativas.
Me deixa duvidar.

A dúvida é a casa da certeza
Que saiu para se desafiar.
Voltou com medo de
Atravessar a rua.

Me deixe despertar do sonho
Por vontade própria.
Conhecerei a quantidade
Da minha eu(foria).

Por favor, meu bem.
Ouça com carinho
A tua voz.
Ela faz tão bem.

Aceita o meu convite.
Vamos nos aventurar
Pelas ruas e curvas escuras
Dos nossos corpos.

Juntos, encontraremos o Amor
No caminho de volta para casa.
Assistiremos às nossas solidões
Correndo de mãos dadas.

Elas nascem do convívio,
Se acompanham das paixões
E morrem de Amor.
Minha solidão não é solitária.