quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Na Companhia da Solidão


Arte de: August Macke
Lorenzo Ganzo Galarça

Deixe o telefone tocar.
Porque enquanto espero
Ainda estou à caminho.
Tenho tempo de voltar.

Eu sei, é difícil aceitar.
Mas, por favor, não me
Tire as alternativas.
Me deixa duvidar.

A dúvida é a casa da certeza
Que saiu para se desafiar.
Voltou com medo de
Atravessar a rua.

Me deixe despertar do sonho
Por vontade própria.
Conhecerei a quantidade
Da minha eu(foria).

Por favor, meu bem.
Ouça com carinho
A tua voz.
Ela faz tão bem.

Aceita o meu convite.
Vamos nos aventurar
Pelas ruas e curvas escuras
Dos nossos corpos.

Juntos, encontraremos o Amor
No caminho de volta para casa.
Assistiremos às nossas solidões
Correndo de mãos dadas.

Elas nascem do convívio,
Se acompanham das paixões
E morrem de Amor.
Minha solidão não é solitária.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A Interferência No Meu Rádio



imagem: Deviantart.com
Lorenzo Ganzo Galarça

Me avisa da tua presença.
Já não quero mais as vozes,
Quero o som do teu silêncio.

Quero a angústia de sentir primeiro
O cheiro da comida, antes mesmo de
Saber se gosto.

Quero me perder em cada brilho de ventura
Ao escutar uma possível condição.
É o divino batendo a porta,
O acaso de encontro comigo.

A interferência no meu rádio
É o prólogo
Da nossa ligação.

A conexão dos amantes
Travestida em ondas físicas e concretas.
O lógico e racional abrindo as portas para
A subjetividade do Amor.

Longe de ser anatomia
Teu corpo escreve poesia.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Sobre a Liberdade


Imagem: deviantart.com

Enfim,

Me desfiz de todas as minhas dívidas (ou da vida dividida)
E o melhor de tudo:
Sem ter que pagar nenhuma.


Lorenzo Ganzo Galarça



quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Tom de voz


Imagem: Deviantart.com

Me desculpe, por favor, se fui grosseiro.
Não pude manter a compostura.
Minha fala, infelizmente,
É um tanto corcunda.

Meu amigo, por favor, não me peça a verdade
Se não tens coragem
De aceitar meu tom de voz.
Ele é meu meio de transporte.

Talvez, com alguma sorte,
Mais tarde, poderemos
Falar assim, baixinho,
Quando, enfim, não formos mais os mesmos

Dos que deixamos pelo caminho.


Lorenzo Ganzo Galarça


segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Os nossos detalhes


Imagem: Pablo Picasso

Manchas de café e bordado de vó.
Minha casa fica vazia sem o cheiro da terra, úmida, dos teus pés.
A declaração de Amor mais bela é aquela que nasce
em guardanapos de bar,
Sem muitos desenhos.
De preferência, ainda quente dos teus lábios e
Molhado das tuas lágrimas.


Lorenzo Ganzo Galarça

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Despertar.


Imagem: Deviantart.com

Sempre que eu te vejo
Com aquela cara de sono
Sei que não quiseste levantar.

Quiseste o infinito.
O túnel do tempo
É longo de mais para eu te acompanhar.

Vem! Me dá a mão.
Para que juntos
Através da afinidade dos instantes

Da realidade
Te mostro meu amor, meu bem.
Vamos nos aventurar...

Sem jamais olhar
Para os sonhos
Que deixamos de acordar.


Lorenzo Ganzo Galarça

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Enquanto Joaquim dormia


Imagem: deviantart.com

Dona Clara ascendia um fósforo, pois tinha acabado a luz e
um vira-lata latia para a lua.

Enquanto Joaquim dormia,

Um menino acabava de dar o seu primeiro beijo e
um soldado escrevia uma carta a sua mulher.

Enquanto Joaquim dormia,

Um senhor de idade comprava uma carroça de algodão-doce usada e
um menino olhava, escondido, a calcinha da sua vizinha.

Enquanto Joaquim dormia,

Ricardo perdia a virgindade e
Lúcia regava de lágrimas o filho recém-nascido.

Enquanto Joaquim dormia,

Um músico era aplaudido pela primeira vez, em público e
a lua brilhava forte nas águas do mar.

Enquanto Joaquim dormia,

Joana enterrava uma formiguinha, morta, no quintal de casa e
Christiane autografava o seu primeiro livro.

Enquanto Joaquim dormia,

Fernanda lia o seu nome na lista de aprovados no vestibular e
José Felipe pedia uma linda mulher em casamento.

O mundo girava um pouco mais devagar...
Os sonhos duravam um pouco mais...

Enquanto Joaquim dormia.


Lorenzo Ganzo Galarça