domingo, 29 de junho de 2008

Vazio

O mundo debruça-se contra o meu ombro
A gravidade me suga
E o ar vai embora

As narinas se cobrem
Os ouvidos descansam
E os olhos se fecham

O universo escurece
E o frio se expande
As estrelas se apagam
Enquanto a lua dorme

O nada me colore
O vazio me preenche
E o tudo me descobre

Nu, como a própria alma
Passeio em mim
Procurando
conforto
Na natureza de existir.


Lorenzo G.G.

Nenhum comentário: